Created with Snap
Quando é hora de substituir os pneus da frota?

Quando é hora de substituir os pneus da frota?

Tempo de leitura: 8 minutos.

Quando se fala da gestão de veículos de uma empresa, é essencial saber quando é o momento certo para substituir os pneus da frota. Garantir a segurança dos veículos e, principalmente, dos profissionais que trabalham atrás do volante é uma das principais responsabilidades de um gestor de frotas. Cumprir bem essa tarefa exige uma série de cuidados, sobretudo aqueles que se referem à manutenção preventiva dos veículos.

Além de evitar contratempos com acidentes e interrupções das atividades, essa prática ajuda a reduzir os custos de operação da frota. Afinal, intervenções corretivas costumam ser mais custosas e demoradas, o que impacta diretamente na produtividade da empresa.

Nessa hora, os pneus são itens que merecem atenção especial do gestor. Por isso, vamos falar hoje sobre a importância de monitorar de forma constante as suas condições e mostrar qual a hora de substituir os pneus da frota. Acompanhe!

Quais os riscos de rodar com pneus da frota em mau estado?

Quais os riscos de rodar com pneus em mau estado?

Como já adiantamos, a falta de manutenção dos pneus oferece sérios riscos à segurança de um veículo. São considerados em mau estado quando estão carecas, quando apresentam avarias e deformidades em sua superfície, como bolhas e fissuras, ou quando estão fora do prazo de validade.

Pneus carecas têm a aderência ao asfalto prejudicada, o que afeta a estabilidade, sobretudo em curvas e em altas velocidades. Se houver a necessidade de uma freada brusca, o veículo pode acabar derrapando e resultar em uma situação grave, como um capotamento.

O perigo é ainda maior em situações de pista molhada, já que os sulcos também são responsáveis por expelir a água que fica entre o pneu e o asfalto. Sem esse recurso, aumenta o risco de aquaplanagem, que pode fazer o motorista perder o controle do veículo.

Leia também:  Saiba como treinar seus funcionários na Direção Defensiva

As deformidades na superfície, por sua vez, representam pontos fracos na estrutura do pneu. Ao rodar nessas condições, corre-se o risco de que eles estourem em plena estrada, o que pode ter resultados desastrosos.

Como a troca de pneus ajuda a reduzir custos?

Para avaliar os impactos financeiros da substituição, não basta levar em conta apenas o custo dos pneus. Ao considerar a economia que é gerada, fica mais claro como vale a pena respeitar essa prática.

Pneus em bom estado garantem a estabilidade do veículo, o que se traduz em um consumo mais consciente de combustível. Em tempos de alta no preço desse insumo, essa é uma economia muito bem-vinda para qualquer gestor.

Quando problemas envolvendo os pneus ocorrem durante um trajeto, o custo para resolver a situação pode ser alto. Investir em cuidados preventivos reduz a chance desse tipo de ocorrência, evitando custos inesperados.

Também não podemos nos esquecer de que rodar com os pneus em mau estado é uma infração de trânsito. Se for flagrado pela fiscalização, o veículo pode ser multado e recolhido até a substituição desse componente. A multa no caso de veículos com pneus carecas é de R$ 195,23 e cinco pontos na CNH do motorista.

Tudo isso afeta a produtividade de uma frota, dificultando e atrasando a realização dos serviços. Por isso, além da redução de custos, a substituição dos pneus na hora certa é fundamental para manter a boa imagem da organização.

Como saber a hora de trocar os pneus da frota?

Como saber a hora de trocar os pneus da frota?

Cada veículo em uma frota tem um momento diferente para a troca de pneus. Isso depende diretamente do tipo de veículo, de pneu e da forma como eles são utilizados no dia a dia.

Leia também:  Porque a sua empresa precisa ter uma política de frotas

Vamos listar aqui as principais maneiras de monitorar os pneus da frota:

Quilometragem

Ao fazer a troca de pneus, é importante que o gestor registre a quilometragem do veículo. Apesar de o desgaste depender de fatores variáveis, esse é um bom parâmetro de controle para as futuras verificações.

Em média, os pneus de veículos utilitários e de passeio duram até 40.000 km. Acompanhar a quilometragem permite que as trocas sejam programadas com antecedência, facilitando a gestão dos pneus. Outro fator a ser observado é o TWI (Tread Wear Indicators), as marcas que ficam dentro dos sulcos dos pneus, que indicam o limite indicado de desgaste aceito para uma rodagem segura. Independentemente da quilometragem, o TWI é que mostra a hora ideal da troca – quando o desgaste chega a essas marcas, é hora de substituir os pneus do veículo!

TWI - Tread Wear Indicator

Validade

Também é preciso levar em conta que os pneus possuem prazos estabelecidos de validade. Quando estão fora dessa especificação, as suas propriedades podem estar comprometidas, assim como a segurança do condutor.

Normalmente, esse prazo é de 5 anos após a fabricação. Por isso, além da quilometragem, também é importante registrar a data em que a troca foi feita.

Profundidade dos sulcos

Já vimos aqui a importância dos sulcos em um pneu. Monitorá-los também é uma medida que deve ser tomada pelo gestor na hora de verificar as condições desse componente.

Para facilitar essa tarefa, os pneus contam com um recurso que informa se o pneu já pode ser considerado careca. O TWI (Indicador de Desgaste da Banda de Rodagem, ou Tread Wear Indicator, em inglês) é um ressalto que fica localizado entre os sulcos. Quando a banda de rodagem estiver no mesmo nível do indicador, é hora de fazer a troca dos pneus.

Leia também:  Como reduzir o consumo de combustível da sua frota

Quais cuidados devem ser tomados com os pneus?

O gestor também pode tomar algumas medidas que ajudam a reduzir o desgaste dos pneus da frota. Uma das mais importante é orientar os motoristas sobre a necessidade de uma direção consciente, além de técnicas de direção defensiva,  evitando práticas que aceleram a sua deterioração.

Manter os pneus sempre devidamente calibrados é um cuidado muito simples, mas que faz grande diferença na gestão desses componentes. Também é importante manter o alinhamento e o balanceamento em dia, pois evitam que os pneus se desgastem de maneira desigual.

Fazer rodízio entre os pneus do eixo dianteiro e traseiro faz com que o desgaste entre eles ocorra de maneira mais equilibrada. A recomendação é que esse revezamento seja feito a cada 10 mil km rodados.

Confira abaixo um infográfico com dicas para garantir uma boa durabilidade dos pneus da sua frota:

Infográfico: Dicas para aumentar a durabilidade dos pneus Unidas Frotas

Clique para visualizar em tamanho completo

Como a terceirização de frotas pode ajudar na gestão?

Você deve ter percebido que a correta gestão dos pneus é uma tarefa que exige grande dedicação por parte do gestor da frota. A questão é que, muitas vezes, essa incumbência pode acabar afetando as demais demandas que recaem sobre esse profissional.

Por isso, a melhor maneira de garantir a segurança dos colaboradores e a eficiência das operações é apostar na terceirização de frotas.

Com esse serviço, não apenas a troca de pneus, mas tudo relacionado à manutenção dos veículos se torna responsabilidade da empresa terceirizadora. Isso permite que o gestor ganhe tempo para se preocupar com o que realmente importa e melhorar a eficiência dos seus negócios.

É por isso que cada vez mais empresas optam pela terceirização como uma maneira de tornar suas operações mais enxutas e efetivas.

Aproveite agora para ler outro artigo exclusivo e entender melhor porque a terceirização de frotas cresce a cada dia!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

você também pode gostar de:

© 2020 Unidas. Vamos juntos. - Todos os direitos reservados